Tenha um inverno confortável sem desperdiçar energia elétrica

Quando a temperatura cai, é importante ter cautela para não aumentar demais os gastos de energia; confira as dicas para economizar.




O inverno começa no dia 21 de junho no hemisfério Sul e, nas regiões em que a temperatura fica mais baixa, aumenta o consumo de energia elétrica para uso de equipamentos como aquecedores de ambiente, secadores de cabelo e chuveiros elétricos.

Quando cresce demais a demanda e as usinas hidrelétricas não dão conta de gerar energia suficiente, é preciso ativar as usinas termoelétricas, que consomem carvão, o que polui e emite gases de efeito estufa, responsáveis pelo aquecimento global. 

Além do impacto ambiental negativo, a ativação das termelétricas representa contas de luz mais salgadas, com a chamada “bandeira vermelha tarifária”.

Para evitar esses impactos negativos, o Instituto Akatu preparou algumas dicas para que a população evite o desperdício de energia elétrica no seu cotidiano, sem perder o seu conforto. 

Há dicas específicas para quando faz frio e também dicas que servem para o ano todo, pois é importante que os hábitos de consumo conscientes sejam adotados de maneira permanente.

Economizar energia representa uma boa economia financeira: uma família que consegue economizar R$15 por mês na sua conta de luz, ao investir esse mesmo valor em uma caderneta de poupança com rendimento anual de 6%, economizará mais de R$ 55 mil em 50 anos! Por exemplo, ao reduzir o banho de chuveiro elétrico de cada pessoa da casa em 3 minutos e deixar a televisão ligada duas horas a menos por dia, já é possível reduzir esses R$ 15 mensais na conta.

Veja mais dicas para ajudar a economizar de energia, a seguir:

– No inverno, há menos horas de luz solar. Por isso, é preciso ter cuidado para não desperdiçar energia com a iluminação. Substitua as lâmpadas incandescentes e fluorescentes por lâmpadas de LED. 

Você sabia que uma LED dura em média 16 anos, 5 vezes mais que uma lâmpada fluorescente compacta? Isso significa que, em um período de 16 anos, será necessário trocar as lâmpadas de LED apenas 1 vez contra 5 trocas das lâmpadas fluorescentes. 

A lâmpada LED é mais cara, no entanto, colocando na “ponta do lápis” o investimento inicial (preço da lâmpada) versus as economias decorrentes dessa escolha (conta de luz mais barata), veremos que ainda assim compensa usar lâmpadas de LED.

– Ao sair de um ambiente, não se esqueça de apagar a luz. 

É importante ressaltar que esta prática vai além da economia de energia, pois também aumenta a vida útil das lâmpadas.

– O chuveiro elétrico costuma ser o maior consumidor de energia de uma casa. Por isso, apesar da tentação, evite banhos longos. 

Uma pequena mudança de comportamento faz a diferença: se cada um dos brasileiros diminuísse em apenas 1 minuto o seu tempo diário de banho no chuveiro elétrico, a energia economizada em um ano equivaleria a mais de 10 dias de operação da usina de Itaipu, a maior usina hidrelétrica do Brasil, em sua geração máxima.

– Não deixe a TV ligada à toa. Se todos os brasileiros desligarem uma TV 1 hora por semana, a eletricidade economizada em 1 mês seria suficiente para abastecer o consumo de energia mensal das cidades de Votuporanga e Registro (SP), com seus quase 148 mil habitantes.

– Desligue o computador quando ele não estiver em uso. Muita gente tem o hábito de deixar o computador de casa ou da empresa ligado ininterruptamente, às vezes fazendo downloads, ou, simplesmente, por comodidade. 

A recomendação é desligar o computador sempre que for ficar mais de 2 horas sem utilização. O monitor deve ser desligado a partir de 15 minutos sem utilizar.

– Evite abrir a porta da geladeira à toa, pois o ar quente entra e o motor do equipamento é obrigado a gastar mais energia para resfriá-la novamente. 

Na hora de colocar ou retirar os alimentos, faça tudo de uma só vez – com esse cuidado. E não guarde alimentos e recipientes quentes na geladeira, pois isso aumenta o consumo de energia.

– Verifique se a borracha da porta da geladeira está em boas condições, pois ela isola o interior do refrigerador e evita maior consumo de eletricidade.

– Acumule o máximo de peças possível para usar a máquina de lavar. Isso ajuda a economizar energia e água.

– Se possível, pendure em cabides as camisetas, camisas e blusas para que elas sequem e desamassem naturalmente. Dependendo do tipo de tecido, a peça pode até dispensar o ferro de passar e ir direto ao guarda-roupa.

– Para passar roupas, junte também o máximo de peças para passar de uma só vez. 

Antes de ligar o ferro, separe as roupas por tipo de tecido – alguns exigem temperatura mais alta, outros exigem temperatura mais baixa. Comece com as roupas que exigem temperatura mais baixa, depois aumente a temperatura e passe as roupas de algodão.

– Ao comprar um eletrodoméstico, procure o selo Procel ou etiqueta do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), que indicam os mais econômicos.

Zona Franca 'sustentável' atrairia olhares de investidores para Manaus, diz WWF Brasil

Os dados do Amazonas em relação ao desmatamento podem ser considerados como o ‘cartão postal negativo’. Só em agosto do ano de 2015 e julho de 2016, a atividade irregular aumentou 54%



Show mauricio

Maurício Voivodic é presidente da ONG ambiental WWF 
(Foto: Winnetou Almeida)





Amanda GuimarãesManaus
Uma Zona Franca pautada por questões da sustentabilidade atrairia olhares de investidores estrangeiros para Manaus, conforme o diretor-executivo da ONG ambiental WWF-Brasil, Maurício Voivodic. 
Isso alavancaria de vez a economia do Polo Industrial que só em dois anos, entre 2015 e 2017, demitiu 24 mil pessoas. As empresas atuavam com 107,9 mil trabalhadores em maio de 2015 e no mês deste ano com 84 mil.


Segundo Maurício, os dados do Amazonas em relação ao desmatamento podem ser considerados como o ‘cartão postal negativo’. Só em agosto do ano de 2015 e julho de 2016, a atividade irregular aumentou 54%. O Estado teve 1.099 quilômetros quadrados desmatados contra 712 de agosto de 2014 a julho de 2015.


“Uma Zona Franca verde seria um cartão de visita internacional para os investimentos. Uma indústria pautada por isso ou uma empresa do futuro, que segue a economia verde, pode se interessar pelo Amazonas. Acredito que saída dos investidores da Zona Franca se deu pela imagem que o Amazonas e o Brasil têm de não se preocupar com a sua floresta. Não podemos estar ligados a imagem de degradação e desmatamento”, disse Maurício.


O Sul do Amazonas foi a região que teve maior área desmatada, sendo os municípios de Lábrea, Boca do Acre, Apuí e Manicoré os campeões em destruir a floresta. “Realmente o desmatamento, não só no Amazonas, mas na Amazônia inteira cresceu muito no ano passado. Já vem crescendo desde 2014 e 2015. Isso aconteceu em áreas protegidas. O principal fator para tudo isso é a crise econômica. O orçamento do Ministério do Meio Ambiente foi afetado, além da economia dos estados integrantes da Amazônia. Isso acaba restringindo as atividades de fiscalização e controle”, comentou o representante da WWF.


Maurício continua defendendo que o Brasil precisa parar de destruir os ecossistemas. Ele acredita que um país pode crescer sem desmatar florestas. “O crescimento do Estado do Amazonas e da Amazônia vai acontecer quando o Brasil se livrar da fama de país que desmata a sua floresta e acaba com os seus ecossistemas. Na medida em que o Brasil conseguir controlar as atividades de poluição. Será um país do futuro. Conseguirá outros investimentos”, defendeu mais uma vez.


Para acabar com os altos índices de desmatamento, Maurício afirma que as unidades de conversação ambiental precisam ser fortalecidas. “Vamos conseguir diminuir a taxa de desmatamento quando as unidades de conservação forem fortalecidas. Elas estão fragilizadas, com baixo orçamento e com gestões não desejadas. Controlar as atividades ilegais, como exploração de madeira e cria de pecuária dentro dessas áreas também são pontos que podem ser praticados. Por fim, precisamos estimular uma forma que as pessoas entendam que vale mais a pena manter a floresta em pé”, disse Voivodic.


Retrocessos


O representante da WWF também ressalta que o Brasil avançou durante 15 anos nas agendas ambientais, mas tudo foi deixado para trás nos últimos dois anos. Segundo ele, o Governo Federal se esqueceu das ‘propostas ambiciosas’ que promoviam melhorias em questões socioambientais.


“O país até avançou e apresentou metas de redução para combater as mudanças climáticas, mas tudo foi deixado para trás. Todo compromisso foi esquecido pelo Governo. O congresso tem um movimento muito articulado pelos deputados aliados de questões rurais para flexibilizar o assunto das reservas. Eles pretendem reduzir as áreas de proteção ambiental”, comunicou.


Uma das propostas citadas por Maurício são as medidas provisórias MP756/16 e MP 758/16, vetadas pelo presidente Michel Temer. A primeira alterava os limites da Floresta Nacional (Flona) do Jamanxim, no Pará, desmembrando parte de sua área para a criação da Área de Proteção Ambiental (APA) do Jamaxim. Já a segunda modificaria os limites do Parque Nacional do Parque Nacional do Jamanxim e criaria a Área de Proteção Ambiental Rio Branco para dar passagem à Estrada de Ferro.


“Eram duas medidas provisórias, que foram originalmente apresentadas pelo Ministério do Meio Ambiente. Quando isso entrou no congresso, os deputados foram mudando o teor da proposta e aumentando o estrago. Ou seja, reduzindo a proteção dessas áreas em quase 600 mil hectares de floresta. A sociedade fez a pressão e as propostas foram vetadas pelo presidente. Mas pode voltar, porque ainda querem transformar as medidas em projetos de lei”, explicou.


Segundo a WWF, a ameaça paira sobre cerca de 10% do território das unidades de conservação federais, numa estimativa conservadora. Ofensiva contra as áreas protegidas vai de Norte a Sul do país e envolve uma área de cerca de 80 mil quilômetros quadrados, quase o tamanho do território de Portugual.


Demarcação de terras


Conforme Maurício, as terras indígenas é uma das formas mais eficientes para combater o desmatamento na Amazônia e no mundo. “Tradicionalmente, os povos indígenas vivem dos produtos que a própria floresta impõe. Então, eles não precisam desmatar para conseguirem sobreviver, porque vivem em uma interação com a floresta. O desmatamento impacta na vida deles, porque dependem de cipó, sementes, coleta de frutos, raízes e caça”, explicou.


A WWF acredita que se os processos de demarcação de terras continuassem mais áreas seriam preservadas “A demarcação é um processo muito importante no reconhecimento dessas áreas. É algo que precisa ser feito com diálogo. Defendemos que esse processo continue, mas que tudo seja feito como transparência”, comentou Voivodic.


Atuação no AM


A WWF é uma ONG brasileira, participante de uma rede internacional e comprometida com a consevação da natureza dentro do contexto social e econômico brasileiro. No Amazonas, segundo Maurício, a instituição atua em parceria com outros órgãos, como o Instituo Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA) e a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas);


“Acreditamos que por meio das parcerias conseguimos avançar. No Amazonas, trabalhos com base nisso. Nosso foco principal é o Sul do Estado, já que é a região mais ameaçada do ponto de vista do desmatamento. Trabalhamos no apoio da realização de atividades sustentáveis, além de trabalhar no fortalecimento das áreas de preservação”, concluiu Maurício
.